quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Jornalista narra as histórias da Guaicurus

"Sobe e desce na Guaicurus - pelas portas de uma zona de prostituição" é um livro-reportagem sobre o cotidiano e a história da zona de baixo meretrício de Belo Horizonte. do jornalista Tarcísio Badaró.
O livro desvenda as curiosas histórias de quem está inserido no cotidiano do famoso ponto boêmio da cidade.

Segundo Tarcísio, as casas de prostituição da Guaicurus atraíam homens da alta sociedade e até celebridades.

video


Durante dois anos, o jornalista Tarcísio Badaró foi atrás dos relatos de personagens envolvidos no cotidiano de um dos pontos de prostituição mais famosos e movimentados da cidade: a rua Guaicurus, no Centro. Conquistar a confiança das garotas de programa e clientes que sobem e descem as escadas dos cerca de vinte “hotéis” instalados ao longo dos cinco quarteirões, além de proprietários e comerciantes, não foi nada fácil.

“A aproximação foi lenta. Frequentei o ambiente para só depois me apresentar como repórter. A insistência serviu para quebrar as barreiras. É difícil para as garotas falar sobre isso. E às vezes nem é do interesse que se fale”, revela o autor de “Sobe e Desce na Guaicurus – Pelas Portas de uma Zona de Prostituição”.

A zona boêmia é quase tão antiga quanto a capital. Entre as décadas de 1920 e 1940, antes de virar uma zona de baixo meretrício, lá funcionavam cassinos e cabarés luxuosos – como o famoso Montanhês. As casas atraíam homens da alta sociedade, como o ex-presidente Juscelino Kubitschek, o poeta Carlos Drummond de Andrade, o escritor Pedro Nava e o sambista Noel Rosa. Reza a lenda que o cineasta Orson Welles e até a seleção inteira do Uruguai decidiram conhecer e se divertir no ponto de encontro.

Hoje, os “hotéis” abrigam cerca de mil mulheres que fazem em média oito mil programas ao dia num negócio que movimenta aproximadamente R$ 150 mil, nas contas do jornalista. Os programas básicos custam até R$ 30 e há até mesmo os dias de “pico”: início do mês (após o depósito do salário) e dezembro (explicado pelo pagamento do 13º).

Com um olhar interessado em desvendar histórias curiosa e fantásticas, Badaró descobriu jovens garotas e senhoras de 70 anos de idade que sobrevivem do prazer alheio.

“Os caminhos que levam à prostituição são vários: dificuldade com a família, agressão, envolvimento com drogas e crimes. Ou simplesmente por ser uma área que dá dinheiro. Há prostitutas com curso superior que se dão melhor profissionalmente do que na carreira que estudaram”, aponta o jornalista. Entre os clientes, em sua maioria humildes, há quem vá ao local para compensar problemas psicológicos ou porque aprecia o ambiente.

“A Guaicurus está imbricada na vida de quase todo mundo. Mas as pessoas evitam enxergá-la. E ela está ligada à história da cidade, temos até o ‘Hilda Furacão’ [de Roberto Drummond], romance que foi ambientado lá”.


Fonte: Band

Nenhum comentário: