quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Fraternidade e Saúde pública: um grande desafio.

video
"A saúde é direito de todos e dever do Estado.” (Art. 196 da CF/1988)
Gilvander Moreira[*]
Desde 1963, há 49 anos, a CNBB[1], anualmente, durante os 40 dias da quaresma, promove a Campanha da Fraternidade – CF -, que tem colocado para estudo, reflexão e ação assuntos que são grandes desafios – clamores ensurdecedores - no seio da sociedade. O Tema da CF/2012 é "Fraternidade e Saúde pública"; o Lema: "Que a saúde se difunda sobre a terra!" (Eclo 38,8). Somos convidados conhecer as entranhas da realidade do SUS[2], visitar pronto-socorros, ouvir as pessoas doentes que esperam muito para fazer exames e conseguir uma vaga para cirurgia no SUS. É hora de ouvirmos o apelo de 150 milhões de brasileiros que só tem como rara possibilidade de acessar saúde pública, via SUS.

Para ajudar a diminuir a ansiedade faça meditação


A ansiedade é um mal da nossa sociedade moderna. Tentamos viver no futuro todo o tempo, sem conseguir. Queremos planejar, arquitetar, adivinhar e determinar um futuro que é incontrolável. Sabemos disso, mas mesmo assim tentamos estar no comando de tudo e todos, nos grandes e nos pequenos detalhes. Não percebemos nem as outras oportunidades que se apresentam, por pura rigidez.

'Revenda' de vítimas de exploração sexual dribla autoridades europeias

 
Especialistas no combate à prostituição forçada na Europa alertam para um fenômeno crescente: a comercialização de mulheres como mercadorias entre diferentes países e cidades. De acordo com um relatório compilado pela ONG espanhola Red española contra la trata de personas, a partir dos dados de 26 organizações internacionais, a revenda de mulheres, muitas delas menores de idade, aumentou em 50% nos últimos cinco anos e movimenta cerca de US$ 7 bilhões por ano (R$ 12 bilhões).

Mulheres são mais propensas a enfartes sem sintomas

As mulheres, especialmente as jovens, são mais propensas do que os homens a procurar hospitais sem sentir dor ou incômodos no peito após um enfarte, e também têm mais chance de morrer do que os homens na mesma faixa etária, mostra um novo estudo americano.